terça-feira, 25 de junho de 2019

Série Opinião - Mercado Cervejeiro no Brasil na Atualidade



No post de hoje, o primeirão, vamos falar sobre um assunto complicado: polêmico, lacônico, fascinante! Sim, senhores, vamos falar sobre a cerveja no Brasil no momento atual e seu futuro!

Estamos vivendo um momento interessante em termos de cultura e consumo cervejeiro no Brasil. Há 10 anos, vivíamos massivamente ainda sob domínio severo e absoluto das cervejas mainstream, e grande parte dos que estão hoje embrenhados no universo da cerveja especial, viravam a cara para uma Weiss ou uma Bock, isso quando estavam disponíveis. IPA por aqui era coisa rara, minha primeira experiência foi na gringa há uns 5 anos. Esses tempos parecem realmente ter ficado para trás, e hoje temos opções variadas nas gôndolas, em sua grande maioria, produzidas mesmo no mercado interno.

Não sei se os senhores leitores sofrem do mesmo fenômeno que eu, mas por alguns instantes parece que a cerveja especial/artesanal se consolidou e dominou o mercado. Isso porque, como bons cervejeiros que somos, fundamentamos todo o nosso círculo de amizades cervejeiras em outros cervejeiros também. Afinal, quem não é do ramo dificilmente vai tragar boas goladas daquela Double Imperial Extra Juice High Gravity NEIPA de 45 reais a lata e comentar por meia hora sobre como ela é sucosa, tem ABV fantasma e aftertaste de frutas amarelas, jargões que para nós parecem português coloquial. Mas o fato é que isso é uma ilusão: estamos cercados ainda de um grande, esmagador público que consome cervejas mainstream, ou no máximo compra aquela um pouquinho mais cara porque é “puro malte”.

Com isso tudo, quero concluir que precisamos evoluir bastante, no meu ponto de vista, em vários aspectos mercadológicos. A saber:

Legislação: do ponto de vista do consumidor, temos entraves legais sérios que retardam a expansão do mercado. Se um funcionário é pego tomando um copo de cerveja no almoço, pode ser demitido por justa causa; a tributação de cerveja e outras bebidas alcoólicas acompanha a tributação do cigarro; muitos municípios não permitem o estabelecimento de brewpubs por entender que são estabelecimentos industriais dentro de áreas urbanas; a legislação permite excessivo uso de xaropes e outras fontes de açúcar fermentescível, além de um coquetel de compostos químicos, para a produção de cerveja barata para consumo em larga escala. Tudo isso propicia um mercado ainda massificado e sobremaneira monopolizado.

Promoção: sim, caros amigos, precisamos melhorar a promoção. Promoção aqui não se refere a liquidação, desconto, leve duas e pague uma, mas à forma como o produto é promovido, ofertado ao consumidor. E aqui me atenho mais especificamente ao preço. Sabemos que a carga tributária no Brasil é astronômica, mas existe sim uma certa elasticidade de preços amparada pelo termo “Artesanal”. Tudo o que é artesanal se dá ao luxo de cobrar 2, 3 vezes o preço do industrial, muitas vezes de forma injustificada. Muitas cervejarias que vendem produtos “artesanais” têm distribuição em nível nacional e fábricas automatizadas de ponta a ponta. Não defendo que cervejas especiais sejam vendidas em pé de igualdade com as mainstreans, mas às vezes o preço de rótulos de estilos de produção simples, como APAs ou Red Ales, chegam a custar mais de 20, às vezes 30 reais. Aí é difícil convencer um consumidor entrante a partir para uma opção tão cara.

Cultura: aqui sim me parece que estamos no caminho... Ele é longo, mas acho que já o encontramos. O número de eventos, propagandas, escolas, brewpubs, brewstores, literatura e tudo o mais que envolve a cultura cervejeira, está crescendo de forma acelerada no país. Não temos números que abranjam o “PIB” cervejeiro, mas está a olhos vistos a forma como esse mercado cresce. Como dito acima, o tema é novo no país e há muito o que explorar, descobrir, compartilhar. O meio de cultura cervejeira tem feito sua parte!

Esses são pontos que precisam ser discutidos amplamente para que o mercado cresça, se fortifique e se estabeleça. Crescimento esse que nos levará a ser a 5ª Escola Cervejeira do mundo!

Pera, eu disse Escola Cervejeira? Oi? Como assim, o Brasil será a próxima Escola Cervejeira? Calma amigos, isso será assunto para nosso próximo, polêmico e aguardado post. Não percam!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Série Opinião - Mercado Cervejeiro no Brasil na Atualidade

No post de hoje, o primeirão, vamos falar sobre um assunto complicado: polêmico, lacônico, fascinante! Sim, senhores, vamos falar sobre...